domingo, 6 de dezembro de 2009

DIVAGARES


Os sonhos estão em terra. Parados no tempo. A secar o sal das lágrimas que caem em corridas de desassossego. No horizonte, os azuis e os dourados enfeitiçaram-se. Sem reflexos nem sombras. Tenho em mim um mar de nuvens que me desfocam. Insisto. Insisto-me. Barro-lhes o caminho. O delas. O meu. Deslizo no Sentir. No Apenas. No Existir. Adormeço-me. Nas cores da noite que os ventos sopram em divagares...

3 comentários:

ηatalie αfonseca disse...

Às vezes deslizamo-nos no sentir, mas por mera preguiça. Ergue-te e inspira o ar que o que te envolve. Só se vive um vez. Ho! Ho! Ho! =P

Beijinhos Martita :)

Concha disse...

Não te deixes cristalizar,sê rebelde,ousada,ri.
Sonha com o bom de amanhã.
E, nem é preciso fantasiar, pensa nao «Noite do Mercado»
Beijinhos

Concha disse...

Venho desejar um Feliz Natal!
Beijinhos