segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O PINTOR DE ALMAS


Cruzei-me com um pintor. Pincelava sonhos, um a um, na tela. Com o cuidado de quem ouve o Infinito e cala o Silêncio.
Disse-me em surdina que

... pintava almas. Que tinha uma galeria onde exponha diferentes dimensões de sentires. Que era (a sua galeria) um sótão de sonhos que só os gigantes no Ser admiravam.

Disse-me (ainda) em segredo que

... passava a noite a colorir instantes transparentes. Pedaços de almas, com destinos e acasos.

Fiquei muda. Na quietude dos silêncios. À procura das cores da alma (da minha).

5 comentários:

Concha disse...

Grande conteúdo,fiquei muda...
Bjs

MarTIC@ disse...

Concha:
Muito obrigada! (Corei)
Parece que, de repente, esbarrei no arco-íris...

Bjinhos

Anónimo disse...

Simples, profundo, sem corantes nem conservantes, puro. Tal como tu.
Um beijo

MarTIC@ disse...

Anónimo:
Obrigada! Tem dias assim... que a alma se solta e voa livremente, no seu estado mais puro.
;)
Bjs

ηatalie αfonseca disse...

Adorei.
Fiquei a pensar na cor que terá a minha alma.

:)